domingo, 27 de dezembro de 2009

Recado de Boas Antradas

Aspero que ameceias nã se pareçam mal mode esta ósença tã demorada, ma é qu'ê nã tenhe même tido jêtes de cá vir. Mostra que já dôs saguidores se marafaram e me dêxarem da mão. É bim fêta, mode ê nã me barimbar niste. Vâme lá a ver so resto da famila nã abala tamém.

O caso é qu'ê m' impregui no iníço de Outubaro e cantinuo tamém a estudar nos livros, manêras que o tempe nã me dá à vonde... Ma fiquem ameceias xcansades qu'ê já ma pormeti e dora im diante faço tençõns de prantar aqui quajquer cousinha ò menes uma vez per mês.

Desejo a toda a famila qu' inda cá se vem assomar umas boas antradas pó ano que i vem, cum saudinha más alegia, que sim isso é que nã mereça a pena a gente cá andar!

Inté!!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Êgéno d' Andrade

Pranto aqui más uma tradeçã dum belo poeta pretuguês, o Êgéno d'Andrade.


Retrato im ala

Intre mê dos tês bêces
é que a brutidade acode,
desdéce ò garganhol,
devassa a água.

No tê pêto
É que o pólen do fogue
Se ajunta ò nacedio,
Alastra na àssombra.

Nas tuas curvas
É ca fonte dá im
Ri de abêlhas,
Rasmalhar de tígaro.

Da cintuira òs joêlhes
É ca arêa quêma,
O sol é amalhofado,
Cego o silênço.

Amalha-te más eu.
Alumia mês vidres.
Intre mê bêces más bêces
Toda a moda é mnha.

[Retrato ardente

Entre os teus lábios
é que a loucura acode,
desce à garganta,
invade a água.

No teu peito
é que o pólen do fogo
se junta à nascente,
alastra na sombra.

Nos teus flancos
é que a fonte começa
a ser rio de abelhas,
rumor de tigre.

Da cintura aos joelhos
é que a areia queima,
o sol é secreto,
cego o silêncio.

Deita-te comigo.
Ilumina meus vidros.
Entre lábios e lábios
toda a música é minha.

Eugénio de Andrade]

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

O Musê Ragional do Algarve

Arresolvi-ma ir assomar-me esta tarde ò Musê Ragional do Algarve, im Faro - o Musê Etnográfico, cume eles o lévom. Ê tinha ide lá uma vez, condo era moçqueno, iste já há ele uns pouques d'anes, manêras que já na ma alimbrava de cousíssema denhuma. Cudim amecêas que nim tampouque dádonde se antrava sabia eu...

Aprviti, tá claro pa tirar per lá uns retratos. Ma cume nã trusse a máiquena fetegráfica nã fcou nada de jêto: tive que ma dsinrascar cum o telémovle. Im inde ê lá ôtra vez a prepósetes e cum más vagar, hê-de fazer melhor sarviço. Pranti aqui uma manchinha delas, ma iste é só premode amecêas terim uma idéa do que per lá se vê.

É um síto piquenalho ma munte bem injarocado, ádonde a famila pode incuntrar de tude, cume havia intigamente: carroças, albardas, piderocalhos, cântaros, cortiços, imprêtas, cêstos e quintás, rôpas e frapilhas cume se usava, casas à manêra da regiã, barcos e téquenecas de pesca e más uma remessa de outras bagajas que só im ver parece a gente que anda às arrécuas no tempe!

Ora, estas purmêras sã dum quarte algravio que eles lá montarem. Tá munte bêm fêto, nã haja duivda. Inté parece même de vardade!




Esta agora é da casa do fôgue. Inté prantaram uma velha lá de roda e tude!


O forno de quezer o panito.


Iste cude ê que seja o alpendre.


A venda, cum o tocador de consertina à antrada.




E a casa de Olhão, cum o pescador más a mulher de bioco.

domingo, 20 de setembro de 2009

ABALARÊ MÁS TU (CON TE PARTIRÒ)

Pranto aqui oije más uma tradeçã duma modinha qu'ê cude qu'amecêas quenhecim bem.
Há uns anes soava aí per tode o lado e a famila gabava munte o home. A moda é de Francesco Sartori, a pousia de Lucio Quarantotto e quim canta é Andrea Bocelli - qu'amecêas ã-de tar alimbrados - um home cego ma cum uma groja de arrepelar a gente.
Da modinha cude ê que amecêas gostim, agora vâme lá a ver sa tradeçã tamém dá arge a alguma cousa...




ABALARÊ MÁS TU

Condo tou só
Sonhe àdonde alcanço a ver
E mingam as palavras,
Sim, ê sê que nã há luz
Num quarto condo falt'ò sol,
Se nã nes vêjo tu más eu, tu más eu.
Assomada ò pestigo
Amostra à famila toda o mê coraçã
Que tu alumiaste,
Fêcha dentre de mim
A luz cum que foste dar aí na xtrada.

Abalarê más tu.
Terras qu'ê nunca
Havia viste e tado más tu,
Agora sim, as ê-de ê xmintar.
Abalarê más tu
Im navis per mares
Que ê sê,
Nã, nã, já nã existem,
Ê vou xmentá-los más tu.

Condo tás desviada de mim
Sonhe àdonde alcanço a ver
E mingam as palavras,
E sim, ê sê
Que tu tás más eu, más eu,
Tu nha lua, tu tás aqui más eu,
Mê sol, tu tás aqui más eu,
Más eu, más eu, más eu.

Abalarê más tu
Terras qu'ê nunca
Havia viste e tado más tu,
Agora sim, as ê-de ê xmintar.
Abalarê más tu
Im navis per mares
Que ê sê,
Nã, nã, já nã existem,
Ê vou reviver neles más tu.
Abalarê más tu
Im navis per mares
Que ê sê,
Nã, nã, já nã existem,
Ê vou reviver neles más tu.
Abalarê más tu.
Ê más tu.


[CON TE PARTIRÒ
F. Sartori / L. Quarantotto

Quando sono solo
Sogno all’orizzonte
E mancan le parole,
Si lo so che non c’è luce
In una stanza quando manca il sole,
Se non ci sei tu con me, con me.
Su le finestre
Mostra a tutti il mio cuore
Che hai acceso,
Chiudi dentro me
La luce che
Hai incontrato per strada.

Con te partirò.
Paesi che non ho mai
Veduto e vissuto con te,
Adesso si li vivrò,
Con te partirò
Su navi per mari
Che, io lo so,
No, no, non esistono più,
Con te io li vivrò.

Quando sei lontana
Sogno all’orizzonte
E mancan le parole,
E io sì lo so
Che sei con me, con me,
Tu mia luna tu sei qui con me,
Mio sole tu sei qui con me,
Con me, con me, con me.

Con te partirò.
Paesi che non ho mai
Veduto e vissuto con te,
Adesso si li vivrò.
Con te partirò
Su navi per mari
Che, io lo so,
No, no, non esistono più,
Con te io li rivivrò.
Con te partirò
Su navi per mari
Che, io lo so,
No, no, non esistono più,
Con te io li rivivrò.
Con te partirò.
Io con te.]

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

...E o Tiátaro cantinua!

Ora cá vai más um blego do tiátaro do Sô Mairo, que se amecêas tã alimbrados, ê comeci a prantar aqui no princípo de Julhe, e inda nã no di acabado. Calhando tamém inda na é desta. Cudo que levará inda más uma pagela... Béque-me a famila na tem ligado munta importâinça a iste, ma nã comprendo mode quê, ca xtóirinha inté leva jêtes...
Ora atã, àdonde é ca gente ia?


Héldaro - Ò mnha mãe, a gente trazémos ali uns pêxes qu'ê vou bscar pa amecêa amanhar.

D. Jaquina - Ò home! Atã tinhas alguma míngua de vir cá cum pêxe atrás?

Héldaro - Ê pensê co mê pai tevesse a dstilar e assim aprevitava-se e assava-se no forno da caldêra.

D. Jaquina - Este ano quaj que nã houve madronhos. Nã choveu.
E os pouques qu'ele panhou tá tude mirrado.

Ti Flezberto - Ê tava pinsando im dstilar uma manchinha deles despôs do mi-dia. Desse jêto, pode-se acinder já a caldêra e assa-se logue os pêxes po almoço. Bem visto, sim senhor.

(fica só a D. Jaquina a amanhar os pêxes e o Ti Flezberto a tratar do forno mode cozer o pão. Logue co pão teja no forno, ele vai-se imbora tamém)

- Bom, o panito já tá quezendo, vô-ma pó alminzém acinder a caldêra.

(Cunforme ia a sair, dá de ventas cum o carro da filha, a chegar)

- Olha, a nossa Casemira vem chegando.

D. Jaquina - O Edegairo vêo tamém?

Ti Flezberto - Ê só lá vêjo o gaieto.
Ai moço marafado! Cum que irá ele empencer desta vez?

D. Jaquina - Da últema vez que cá teve, soltou os bácros todes.
Da outra jogou cum o pato pa drento da ceterna. Só visto!

(Antra a mãe más o filho, a garrear)

Casemira - Já ta disse que nã tenho!
Vai mas é dar um bêjo à tua avó más ò tê avô.

(Fala ò pai)

Sérjo - Põs tamém na dô. (e fica de melão)



Casemira - Dêxa tar qu'ê logue digue ò tê pai.

(Fala à mãe)

D. Jaquina - Tás boa, filha?

Casemira - Ê tô. E amecêa, nha mãe?

D. Jaquina - Olha, praqui vô, mailo tê pai. Cada vez más velhotes.
Atã e o tê Edegairo? Nã vêo?

Sérjo - O mê pai tá de sarviço. Só vem à noite.

D. Jaquina - Ah, atã é per isse que vens tã rabalão...

Casemira - Ele ficou de vir cá ter. Vem na bceclete a motor.
Atã e o mê irmão? Qu'é dele?
Já vi o carro ali fora.

Ti Flezberto - Foram praí ver a bcharada.

Casemira - De quim é o outro transporte que tá ali fora?
Um cum matrícla francesa?

Ti Flezberto - É da Cesaltina do Antóino da Carriça.

Sérjo - Atão o Mathieu tá cá?

D. Jaquina - Ah, já falas? Venha já dar um bêjinho à sua avó.

(O Sérjo vai falar òs avoses)

Ti Flezberto - Assim é que é. (Abraça-o)
Anda já más eu e vames assomar-se ali àdonde eles tão.

(e vão ter cum os outres)

Casemira - Já na sei que faça a este moço.
Chego inté a pinsar que nã é mê filho.

D. Jaquina - Ai mãe santíssema! Nã digas uma cousa dessas, filha. Nim de veras, nim brincando. Atã que jêtes o moçqueno nã nã ser teu?

(Antra a Mari Benta)

Mari Benta - Adês Casemira. Tás boa, moça? (Falam-se)

Casemira - Olá, tia. Cume é que vai essa saúde?

Mari Benta - Olha, praqui vou indo, come Dês quer.
Dêxa-me lá ver s'o panito já tará cozido.

(Começa a tirar o pão do forno, inquante vão antrando os que tavam lá fora e falam à Casemira)


E prantes! A ver se tenho jêtes de vir cá outre dia, prantar más um padacinho.
Agora, per uns tempes sou capaz de nã ter vagar de passar per cá. Ma cude que, d'oije a quinze dias, já ha-de pingar cá más quajquer cousinha!
Inté, pessoal! Saudinha!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Vistas e pasajas do nosse Algarve

Oije, im lugar de lambareada, vou-ma prantar quatre vidos do Algarve. Ele amostram imajas duma remessa de sítos que sã uma beleza! Même im tandim essas cousas aqui ó rés da gente, a famila parte das vezes ou na quenhecim ou já na se alembrem... O purmêro, fui dar cum ele antredia no blogue Turismo Algarve , os outres andi ê à pregunta no iutube. Inda se vê por i munta maltinha a gabar a gente. Más, inté, ca famila da regiã... Ma ê cá na me dêxo jmorcer! Atã cá vai! Aspero que ves cunsole.







domingo, 16 de agosto de 2009

Pousia

Esta é a nha purmêra pousia im algravio. Arresolvi-me a xmentar tirar uns versos na nossa benita fala, a ver se isto dá arge a alguma cousa... Se desta vez na levar jêto, pa próxma melhor há-de fcar. É pciso é ir inçando.
Atã, vã-me lá a ver!



POUSIA PURMÊRA

Dou per mim, parte das vezes,
De rojo no mê soalho;
Tude à roda é tã grande
E ê vêje-me piquenalho.

Nã tenhe idéa ò que vou,
Nim tampouque de quim seja.
Ma ca rai face ê no mundo?
Viver dá-me im bretoeja...

Ninguém ma procurou nada,
Condo ma prantarem aqui.
Mode quê tarê ê, atã,
De fazer fenezas por i?

Atento assim o juízo
Inté quaj fcar tramouco;
Na se me desarreda da idéa
Que Dês anda a fazer pôco!

Intre mê tanta famila
Sará caso nã haver
Uma manchêa a dar-lhe rabeada
Más ê, mode este viver?

Condo a vida anda às abarcas
Ca té dá marafação,
Só aptece é arrulhar:
- Tá o mar fêto num cão!

Ma é nesta ladêra, à raboleta,
Que nes pedim pa andar;
Na ravinhem adespôs
Da famila só impar...

Cá pra mim, mêmo qu'ê cude
Qu'isto na leva sintido,
Na tenhe à vonde cum viver
Seja ou nã tempe perdido...

Antóino Rebêro

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

O RÊ VÁ DIM PLÃO (O REI VAI NU)

Arresolvi-me a prantar esta tarde más uma tradeçã da fala pretuguêsa pó algravio. É uma xtóirinha já intiga qu'é quaj certo c'amecêas conhecim e qu'ê fui-ma bscar ò Incursons.
Atã tomem lá per conta, a ver se leva jêto ou nã.

O RÊ VÁ DIM PLÃO
(xtóira tradecinal pretuguêsa)

Era uma vez um rê munte maniento e que gstava de andar tode impinocado.
Certo dia, achegaram-se ò pé dele dôs trafulhas que le fezeram esta cunversa:
- Mastade, a gente tem cnhecemente c'amecêa faz gosto im andar simpre luxuoso - nim há pai p'amecêa; e bem o murece! A gente fomes dar cum uma frapela munte benita e duma tal categoria cos brutos na sã capazes da ver. Cum uma vestementa dessas Vossa Mastade alcançará a dstinguir a famila esperta dos brutos, alarves e gazeados, que na hã-de prestar pa tar na corte d'amecêa.
- Ah, ma isse é uma escoberta qu'e um xpanto! - acudiu o rê. Tragam lá essa frapela e façam-me a vestementa; tou djando de ver a categoria de gente qu'ê tenhe ò mê sarviço.
Os dôs homes tirarem as medidas e, umas semanas despôs, apresentaram-se ò rê a dzer:
- Aqui tá a vestementa de Vossa Mastade.
O rê nã via nada, ma come nã queria passar por bruto, acudiu:
-Ah! Mete cobiça!
Atã, os dôs trafulhas fezérum de conta que no tavam a vestir, cum mesuras
e gabadelas:
- Amecêa tá tã bêm arrenjado! Todes ficarã à inveja!
Come na havia famila na corte que quezéssem ser levados de brutos, todes deziam ca vestementa era uma beleza. O rê até dava arge a um dês!
A notiça correu toda a cedade: o rê tinha uma farda que só os espertos tinham alcance pa ver.
Certo dia, o rê arresolvê-se a sair, mode s'amostrar à famila.
A famila toda gabava a vestementa, mode ninguém querer passar per bruto, inté que, a certa parte, um moçqueno, na sua inecêça, brádou:
-Olha, olha! O rê vá dim plão!
Foi um pagode! Carcachada giral. Só pr'essa ora é co rê le discorreu que le tinham armado a parte.
Inrrascado e repêso da sua asnidade, fugiu pa s'incafuar no paláiço.


[O Rei vai Nu
(Conto Tradicional Português)

Era uma vez um rei muito vaidoso e que gostava de andar muito bem vestido.
Um dia vieram ter com ele dois trapaceiros que lhe falaram assim:
- Majestade, sabemos que o senhor gosta de andar sempre muito bem vestido - bem vestido como ninguém; e bem o merece! Descobrimos um tecido muito belo e de tal qualidade que os tolos não são capazes de o ver. Com uma roupa assim Vossa Majestade poderá distinguir as pessoas inteligentes das tolas, parvas e estúpidas que não servirão para a vossa corte.
- Oh! Mas é uma descoberta espantosa! - respondeu o rei. Tragam já esse tecido e façam-me a roupa; quero ver as qualidades das pessoas que tenho ao meu serviço.
Os dois homens tiraram as medidas e, daí a umas semanas, apresentaram-se ao rei dizendo:
- Aqui está a roupa de Vossa Majestade.
O rei não via nada, mas como não queria passar por tolo, respondeu:
- Oh! Como é bela!
Então os dois aldrabões fizeram de conta qua estavam a vestir a roupa com todos os gestos necessários e exclamações elogiosas:
- O senhor fica tão elegante! Todos o invejarão!
Como ninguém da corte queria passar por tolo, todos diziam que a roupa era uma verdadeira maravilha. O rei até parecia um deus!
A notícia correu toda a cidade: o rei tinha uma roupa que só os inteligentes eram capazes de ver.
Um dia o rei resolveu sair para se mostrar ao povo. Toda a gente admirava a vestimenta, porque ninguém queria passar por estúpido, até que, a certa altura, uma criança, em toda a sua inocência, gritou:
- Olha, olha! O rei vai nu!
Foi um espanto! Gargalhada geral. Só então o rei compreendeu que fora enganado. Envergonhado e arrependido da sua vaidade, correu a esconder-se no palácio.]

domingo, 9 de agosto de 2009

Anadota

Oije vou-ma cuntar-ves uma parte cum co mê ti se saíu esta tarde, cando tava más eu, e ca mim me dê munta festa. Béque-me a xtóirinha leva jêto.
Atã é assim:


Andava um pretuguês por i, num povo quajquer desse Algarve, à pregunta duma venda. Vai daí, cando dá cum uma e sa vai assomar, arrepaira que tá fechada. Atã pranta-se a matinar: «Bolas! Que chatice! Porque será que não está aqui ninguém?» (*)

Nesse poucachinho, passa porli ò rés uma velhinha e ele, munte rapetezo, dá-lhe de vaia e précura-lhe:
- A senhora não sabe se o café abre hoje?" (**)
Ò ca melherzinha acode:
- Cude c'abra.

O home já anérvado de na dar cuma venda aberta, panha uma marafação inda maior, pinsando da velha ser torta e o mandar pó cu da cabra. Manêras c' abala chê da vaneno e a rasmorder da melher. Um padacinho despôs já a venda tava aberta, ma logue o home já ia munte desviado per essa altura, e na se chegou a fornecer...

Mostra que saber algravio inda vem a dar jêtes. Calhande este desgraçáde nã tinha ficade cas calças nas mãs, na é verdade? Punhão! Qu'é pa proixma na ser tã bruto!

(*) Im algravio: Pôrças! Má da volta! Má que jêtes na tará aqui famila?
(**) Im algravio: Amecêa na tem idéa sa venda abre oije?

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Fiquim amecêas sabende qu'ê ande no laré!

Boa nonte!

Vi-ma aqui dar de vaia, na vã amecêas fcarim pinsando qu'ê panhi praí a morrinha.
Parece ele ca famila anda agora i toda bruta, mode a gripe, que já na pode a gente prantar a tlefonia a trabalhar qu'e só notiças dessa bagaja. Im tode o tempe houve gripe e ê inda cá na vi trabalho destes. Punhão, ca até dá marafação! Im eles ingandim niste, já n'há quim nos dê quedos... Mostra que a plítca já dêta bedum, atã arranjarem esta entretanha. Intém nos jornás, na nos dexam da mão.

Ma dzia ê, s'ê na tenhe tide jêtes de ma vir cá assomar nã é per desaprecato nim tampouque per andar alvoreado ou cum a malandra. Dá-se o caso d'ê tar da regresso ò nosse Algarve per esta temprada e d'ê fazer tençãs de aprevitar o tempe cum o mê pessoal. Ando tamém a ver se arranjo manêra de prantar aqui no blogue uma rapertagem cum famila a tramelar im algravio, de cume era a vida noutres tempes. Dá-me simpre munta festa das partes ca velhama usa a cuntar de quande eram moçquenes, mode as blheretas qu'injarocavam i, per esses montes e povos. Vame lá a ver sê dou mê de ma amanhar co sarviço!

Bom, atã inté ca gente se veja (é uma manêra de dezer)!

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Tiátaro - Más uma pagela

Béque-me oije inda nã no dou tode dxpaxado. Calhando pa semana ou despôs tará cumpleto. Aspero que amêas tejam a achar planta.

Inda esta smana ê me incuntri cum o artista que s'alimbrou de fazer esta parte, más os moçquenos. Já nã no via há uma remessa de tempe. Nim tampouque notiças ê tenhe tide. Na dê pa tramelar munte, ma ò menes dê pa dar-lhe uma manzaca e matar soidades. Fique agora à xpera co sô Mairo nes venha vesitar aqui ò blogue e aprevêto pa le agrdecer esta obra que nes dixou. Mode nã ter recebide inda comentáiros da famila, a respêto do tiátaro, na faço idéa se isto tá a ter saída ou nã...
Ma vâ-me lá a ver más um blego!


(Inquanto a Mari Benta trata das galinhas, soa um transporte a chigar e a D. Jaquina vai-se assomar à porta. É o filho da D. Jaquina que chigou más a famila e ela antra a fugir mode alimpar as mãs e a boca e a cumpor-se.)

D. Jaquina - Ai! É o mê Héldaro, maila nha Ercila e a nha Piedade. Tamém vieram passar a nonte do nacemento más a gente?

(O Héldaro, a Ercila e a Piedade falam cum pronuinça de Vila Real de Sante Antóino)

Piedade - Avó Quina! (Antra im casa e foge po pé da avó)



D. Jaquina - Ai! A nha Piedade! Tás tã grande, moça! (e abraça-a)
Ai, que soidades qu'ê tinha!

Héldaro - Dá lecença mnha mãe?

D. Jaquina - Ó home! A casa tamém é tua.
Antrem pa dentro. (e falam-se)

(A Ercila antra más a Mari Benta)

Ercila - Ó tia. Tem que levar más sintido cum a sua saúde.

(Fala à sogra)

D. Jaquina - Ai moça. Tás jêtosa.
Cada vez mai nova.

Mari Benta - É senal co nosse Héldaro a trata bem. Na é vardade?

Ercila (dande-lhe festa) - Lá isso, nã tenhe razãs de quêxa.

Héldaro - Atã e o mê pai? Qu'é fête dele?

Piedade - Ádonde é tá o avê Flezbeto?

D. Jaquina - Olha, foi praí à pregunta do Antóino da Carriça.
Chigou aí a filha que tá na França, más o home e o moçqueno e abalaram pr'essa chapada a ver se davum cum ele.

Ercila - A Cesaltina tá cá? Gstava da ver.

D. Jaquina - Atã calha bem. Eles vêm passar a festa más a gente.

Héldaro - O Antóino da Carriça inda tá cá em casa?
Foi desta que se ajêtou cum a tia?

Mari Benta - Ó rái! Bate já nessa boca, home!
Quere lá saber do velho...

D. Jaquina - O desgraçado bem que lhe anda simpre a arrastastar a asa, mas ela só o inxevalha...

Ercila - Pôs era mêmo o ca tia precisava.

Mari Benta - Dês ma livre! O home nã tem jêto nim trambelho. Simpre cum aquele bafo pingunço. Tótes, inté me dá anisas!



D. Jaquina - Ai! Tã simpre gravitando. (arria-se)
Inda onte à nonte a mana tava amassando e lavajou-se cum farinha, pôs atã na é co dêcho do home mal chigou prantou-se de roda da melher im querende-lhe sacudir o assantadoiro? Formou-se aqui um inlêo que só visto.

Piedade - Ó avó, o que é o assentadoiro?

Ercila - Ó filha, é o cu.
Eles aqui dizem assentadoiro.

D. Jaquina - Atão e estã manhão pegarem-se antra vez.
Ele inté me mandou binzê-la do má fitio.
A mana alevantou-se cedo, mode vir tender...

(Cantinuam a tramelar e a rir, mas más báxo, e cmeça a soar uma modinha im fundo, que fica inté que apareça o Ti Flezberto más a famila de emigrantes e o Antóino da Carriça. Os que inda nã se tinham ancuntrado falam-se e ficam tamém a cunversar).

Piedade - Tu és o Mathieu, não és?

Mathieu - Oui. Sou.
Et tu? Non me lembrrro do teu nome.

Piedade - Eu sou a Piedade.

Mathieu - Piedade? Que nome esse?

Piedade - Eu tamém não gosto muito.
Já foste ver os bacorinhos?

Mathieu - Bacorrrinhos? Que é isso?



Piedade - Tamém não sabes nada.
São os porquinhos pequeninos.

Mathieu - Ah, crrrias de cochons.
Nunca vi. Anda-me lá mostrrrarrr.

Piedade - Avô Flizberto, vou mostrar os bacorinhos ao Mathieu.

Cesaltina - Ai, eu também quero ir ver!

Ercila - Contos é ca porca teve?

Ti Flezberto - Pariu douze, mas morrerem três.

Antóino da C. - Atão vams lá todes ver a bxarada.
Ande já tamém, cmade Benta.

Mari Benta - Oh home! Na m'atente a miolêra.
Vaia-se já e dêxe-se fcar pulá, que na pcilga é qu'amecêa tá bem.

(Cmeçam a sair)

D. Jaquina - Ai estes dôs.
Se calha algum dia a fcarém praqui sozinhes, esconfi que se xfolam um ò outre...

Ti Flezberto - Bom, ê vou-ma alimpar o forno, qu'e pa prantar o pã a quezer. (e vai tratar do forno)

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Pousia do Camons

Oije alimbrê-me de prantar aqui uma pousia do Camons. Vou-ma ver se faço a feneza de dar corridos parte dos poetas pertegueses más gabades. Ê ande a tmar per conta pa na marafar a métrica más as rimas, mode na dixar as pousias de pantanas, senã perde a planta toda. Ah pôrça! Ma nim simpre é ò queres, manêras que levo inda bem munte tempe aqui a matinar e a azucrinar o tatuço. Trabalho cum dôs dcionáiros de algravio e más a limbrança qu'ê tenhe da nha fala de moçqueno, cos mês avozes m'insinarem. Ma nim même assim ê me amanho más dpressa, nim o raio...
Vá lá, tem à vonde cum impar, qu'ê cuido qu' amecêas querim é lêr pousia!
Ora, atã é assim:


Sete anes de moiral Jacob sarvia
Labão, pai de Raquel, sarrenha bela;
Ma nã sarvia ò pai, sarvia a ela,
E a ela só per cunvidade queria.

Os dias, co sintido num só dia,
Passava, cunsolande-se im vê-la;
Agora o pai, usande de cátela,
Im lugar de Raquel le dava Lia.

Im vende o dsmarride moiral que desse jêto
Cum inganifas le negarem a sua moirala,
Come se nã a tvera murcida,

Joga-se a sarvir más sete anes,
Dezende: más sarviria, nã fosse
Pra tã longue amor tã curta a vida!


[Im pretuguês

Sete anos de pastor Jacob servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prémio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,
Passava, contentando-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
Lhe fora assim negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida,

Começa de servir outros sete anos,
Dizendo: — Mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida!

- Luís Vaz de Camões]

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Élves im algravio

Esta nôte, vou-ma prantar uma modinha do artista amaricano Élves Présli (1935-1977), cum tradeçã im algravio. Ouve e inda há por i famila a levá-lo de rê, e na é sim razã: ca bela groja co home pussiía!



Simpre na nha idéa

Calhando ê na te xtimi
Tã bem come ê havia de ter fêto
Calhando ê na t'amê
Toda a vez q'ê tive jêtes
Cousinhas havia ê de ter falado e fêto
Só que logue ê na me ópus

Tu ias simpre na nha idéa
Tu ias simpre na nha idéa

Calhando ê na te sustive
Im todes esses tempes slitáiros
E béque-me ê nunca ta disse
Tou tã repimpado de seres minha
S'ê te sjiti a sintirs-te o rafugo
Moça, ê tou tã repeso, ê andava cego

Tu ias simpre na nha idéa
Tu ias simpre na nha idéa

Diz-me, diz-me co tê amor doce na se desluziu
Dá-me, dá-me más uma ocasiã
A ver s'ê te consolo, s'ê te consolo

Cousinhas havia ê de ter falado e fêto
Só que logue ê na me ópus

Tu ias simpre na nha idéa
Tu vás simpre na nha idéa
Tu vás simpre na nha idéa

[Na fala englesa

Always on my mind

Maybe I didnt treat you
Quite as good as I should have
Maybe I didnt love you
Quite as often as I could have
Little things I should have said and done
I just never took the time

You were always on my mind
You were always on my mind

Maybe I didnt hold you
All those lonely, lonely times
And I guess I never told you
Im so happy that youre mine
If I make you feel second best
Girl, Im so sorry I was blind

You were always on my mind
You were always on my mind

Tell me, tell me that your sweet love hasnt died
Give me, give me one more chance
To keep you satisfied, satisfied

Little things I should have said and done
I just never took the time
You were always on my mind
You are always on my mind
You are always on my mind

- Elvis Presley]

terça-feira, 21 de julho de 2009

Tiátaro Algravio - trecêra pagela

Pra quim só agora deu notiça do Algravio, fiquim sabendo qu'esta é já a trecêra pagela duma xtóirinha de tiátaro qu'ê comeci a cuntar antredia. Na sou ê o artista, ê sou só o contador. Ela foi xcrita plo Sô Máiro. Mas pode ser que aqui ou ali ê ponha tamém um chêrinho. Qu'isto é sabido que quim conta uma parte, acresçanta-lhe da sua arte. Atão vams lá a más um blego!

(Antra o Ti Flezberto, já cum outra vestementa, que vem aprontar o forno mode cozer o pão, e sai a D. Jaquina)

Ti Flezberto - Atão, já tá melhor?

Mari Benta - Ai mano Flezberto. Pró que m'havera de dar...

Ti Flezberto - Ó mana, mas amecê presenciou mêmo esse balho?

Mari Benta - Cum estes dous olhes ca terra m'hade quemer. Inté me fui assomar pa dentro da plingana e tude, e vi. As felhoses pulavam da plingana pra fora e balhavam, balhavam...

Ti Flezberto - Ó mana, isse na terá sido im sonho?

Mari Benta - Ê si cá!

(Antra a D. Jaquina, já vestida, que vem tender)

D. Jaquina - Inda aí tá? Vaia-se lá dêtar. Daquem nada ta aí a famila toda e amecêa inda na se pôs boa.

(A dona Jaquina joga-se a tender e o Ti Flezberto vai acinder o forno mode cozer o pão. Inquanto vai tendendo a D. Jaquina canta uma modinha d'intigamente.
É intarrumpida pro Ti Flezberto, que já tem o forno a aquecer e le diz:)

Ti Flezberto - Dixi o barredoiro inquestado ó pial, toma per conta, na le incalhes.
Bom, vou-ma dar de quemer ós porcos.

D. Jaquina - Tá bem. O balde cum a água lexosa tá aí imbaxo da pia.
Pranta uma ametade naquela vasilha qu'é prós bacrinhes.

Ti Flezberto - Tá bem assim? (e amostra)

D. Jaquina - Tá. Na raçã da marranita nã mereça a pena prantar tanto farelo.

Ti Flezberto - Atã vê lá. (Vai prantando más farelos)

D. Jaquina - Tem ávonde! Isse nã é pra nenhum sovão!

(O Ti Flezberto sai más os baldes e a D. Jaquina cantinua a modinha inquanto vai tendendo)



(Condo acaba de tender arruma a ócharia e vai-se alavar. Neste tempe, antra o Ti Flezberto que assilha os baldes dádonde eles tavam. Logue despôs antra a filha do Antóino da Carriça más o home e o moçqueno dela, que acabam de chegar da França)

Ti Flezberto - Antrem. Venham pra casa.
Ó Jaquina! Olha só quim chegou!

D. Jaquina - Ai! A Cesaltina! (Falam-se)
Mas há contes anes ê na te via!
Tás jêtosa, moça!

Cesaltina - Oh! É a D. Jaquina?
Quaj que nim a conhecia. Ta cada vez más nova!

D. Jaquina - Atão esse aí é o tê home?

Cesaltina - Vá lá. É o mê marido e o mê filho. (falam-se támem)

D. Jaquina - Ai, com'ó tempe passa.
A últema vez que te vi foi num dia de mercado.
Era o tê gaiato pequenalho e agora tá um home fêto.

Francisco - Então e o meu sogro?
O que é feito dele?

Ti Flezberto - Tá guardando o gado na chapada pre trás do monte.
Ê vou lá dar-le de vaia.

Francisco - A gente vai consigo que é pra ver se esticamos as pernas.
Estamos fartos de estar sentados.

D. Jaquina - Atão fezeram boa viagem?

Cesaltina - Sim, fezémes.
Isto agora já se faz más depressa.
Entra-se logue lá na auto-rute e é munte más rápido.

Ti Flezberto - Bom, vame lá a ver se a gente dá cum o Antóino.

(O Ti Flezberto sai más o casal de emigrantes e o garoto, à pregunta do Antóino. Antretanto, a Mari Benta deu pla chegada de pessoal e antra na casa do fogo pra ver quim chegou. A D. Jaquina cantinua a aquemedar os tarecos.)

Mari Benta - Ê tava ditada e óvi cunversar.
Quim é que tava aqui más amecêa, mana?

D. Jaquina - Era a Cesaltina, que chigou da França, más o maride e o filhe.

Mari Benta - Atã e já abalaram? (e vai-se assomar ó pestigo)

D. Jaquina - Nã. Foram só ver se davam cum o Antóino.
E amecêa? Já vai tando melhorzita?

Mari Benta - Béque-me isto já vai passando.
Já tou um nadinha melhor.
Já soltarum as galinhas?

D. Jaquina - Inda nã às ouvi.
Calhando inda tã presas.

Mari Benta - Ê vou-ma ver.
Levo uma manchinha de sovada e ficum logue tratadas.

D. Jaquina - Veja lá, mana. Na se prante prái munte ó sol.

(A Mari Benta sai e passado um pouque soam as galinhas e a Mari Benta a chamar.)

Mari Benta - Piiiii pi pi pi piiita, piita pita pita pita!...



Per oije fcames por aqui. Na perquem a cantinação.
Inté, pessoal!

sábado, 18 de julho de 2009

Fica pormetide que, im ê tende jêtes, o purmêro post que ê vou-ma prantar é a cantinação do tiatro, mode ver se iste na fica pr'aqui amarroado... Amanhão ou despôs na si se tarê vagar, mas fiquim ameceias xcansados que, na tande ê praí tramouco, na me ê-de xquecer.
Faço tamém tençãs de ter aqui no blog pousias ragionais. Na dexim de vir cá de condo im vez, que ós poucachinhos isto vai informande. Inté!

Ria Formosa

Oije amostro aqui um dos sitos más cobiçados e ausioses da nossa terra: o parque natural da Ria Formosa. Prá famila que inda na quenhece, é da manêra que ficum cuma idéa, ma na dexim de vesitar, que isto im a gente se assomando de perto é outra cousa! Pra quim já quenhece, béque-me vã achar planta ó que ê aqui pranti. Inté!


















Pa fcarim sabendo más um poucachinho a respêto do parque natural vaiam a estes links:
- http://portal.icnb.pt/ICNPortal/vPT2007-AP-RiaFormosa?res=1024x768
- http://www.olhao.web.pt/ParqueNatural.htm
- http://pt.wikipedia.org/wiki/Ria_Formosa

quinta-feira, 16 de julho de 2009

O Gadanêro

Esta nôte, ò assomar-me no blog do mê Pressor Amadê Frrêra, o "cumo quien bai de camino", im mirandês, vê-me à ideia quemeçar a tradezir peças más gradas. E pegui logue nesta pousia do Alberto Caêro, qu'amecêas bem quenhecim. Sã uns versos munte bem tirados. Vams lá a ver s'ê tou capaz de dar conta do recado!

O Gadanêro XXXIV

Ache tã natural que nã se pinse
Que ma pranto a rir parte das vezes, sozinho,
Na si bem de quê, mas é de quajquer cousa
Que tim à ver cum haver famila que pinsa...

Que cuidará o mê valado da nha ássombra?
Procuro-me parte das vezes isto inté dar per mim
A procurar-me cousas...
E atão desengraço-me, inquemode-me
Come se me panhásse cum pé cum formeguêro...

Que cuidará isto daquilo?
Nada pinsa im nada.
Tará a terra cunscênça dos bajoles e plantas que tem?
Se ela tever, ca tenha...
Qu'é que m'amporta isse à mim?
S'ê fosse a pinsar nessas cousas,
Dixava de ver as árves más as plantas
E dixava de ver a Terra,
Mode ver só os mês pinsamentes...
Jmorcia e fcava à dscuras.
De manêras que, sim pinsar, tenhe a Terra más o Céu.


[Im pretuguês

O Guardador de Rebanhos XXXIV

Acho tão natural que não se pense
Que me ponho a rir às vezes, sozinho,
Não sei bem de quê, mas é de qualquer cousa
Que tem que ver com haver gente que pensa…

Que pensará o meu muro da minha sombra?
Pergunto-me às vezes isto até dar por mim
A perguntar-me cousas…
E então desagrado-me, e incomodo-me
Como se desse por mim com um pé dormente…

Que pensará isto de aquilo?
Nada pensa em nada.
Terá a terra consciência das pedras e plantas que tem?
Se ela tiver, que tenha…
Que me importa isso a mim?
Se eu pensasse nessas cousas,
Deixava de ver as árvores e as plantas
E deixava de ver a Terra,
Para ver só os meus pensamentos…
Entristecia e ficava às escuras.
E assim, sem pensar, tenho a Terra e o Céu.
-Alberto Caeiro]

ALGARVE ALGARVE ALGARVE



O nosse blog faz oije um mês!! Um mês a dar de vaia à famila pr'àquilo ca gente tem de melhor: a nossa queltura ragional. A cousa tem prozado e ê aspero que assim se cunserve per munte tempe!

O mê agradcemente a todes os que nes têim vinde vesitar nesta temprada e se têm assomado a estas partes qu'ê aqui tenho prantado.

Inté, pessoal!

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Más bonecaja!

Oije vou-me a prantar bonecaja da Móinca e más da Mafalda! Aspero que lhes dê festa!



terça-feira, 14 de julho de 2009

Faro Intigamente

Esta nôte vou-ma prantar más uns retratos da cedade de Faro. Vejam lá se inda s'alembram de come era lindo este padaço ó rés da ria...

















sexta-feira, 10 de julho de 2009

Tiátaro Algravio (cantinação da parte d'antredia)

Acharum planta ó iniço da xtóirinha? Atão cá vai más um blego!

Soando uma modinha antram im cena as felhóses, a balhar. Neste pouco, a Mari Benta alevanta-se mode ir tender, tráz o candiêro na mã e dá de ventas ca cena.

(A Mari Benta fica uma cousa sim reacção, insovacada, e na faz más qu'é a binzer-se e dzer brutidades)

Mari Benta - Padre Filh Esprit Sante!
Má ca raio vêim estes dous olhes ca terra m' hade quemer?

(Avinça umas passadas e pranta im baxo o candiêro)

- Ai, valha-me Santa Barba!

(Manêa a cabeça)
(Antretanto o bacalhéu que tava de molho desata im balhar más as felhóses)

- Padre Filh Esprit Sante!
Valha-me Santa... (E xfalece)

(Cantinua o balho e na hora im que ela xperta, entra tamém o pirum a balhar e dá-lhe de vaia. Ela, escagaçada, benze-se antra vez)

- Padre Filh Esprit Sante.
Iste foi sol qu'ê panhi.
Ai Santíssme Sacramento. (Maneando a cabeça)

(joga d'unhas ó candiêro e sai, fugindo a bradar)

- Mana Jaquina! Mano Flezberto!

(Tornam todes ós sês lugares, a modinha acaba e antra o Antóino da Carriça, que já na vinha só, e vai a caminho das felhóses, pega numa e assanta-se a dar ó dente. Neste pouco assoma-se à cátela o Ti Flezberto im saroulas, de caçadêra nas mãs, más a Jaquina im camisa de dromir e a Mari Benta)

Ti Flezberto - Com qu'intã a balhar? Unde é que tá o balho?
Na vêjo nenhumas felhoses...

(Alevanta-se o Antóino da Carriça, que fala darrepente e lhes mete medo, pôs na no tinham visto, manêras que o Felzberto aponta a arma dreto a ele)

Antóino da Carriça - Ê cá só tou cmend' uma.
Aiii home! Dsarrede pa lá esse inredo q'ê nã goste de xpingardas. Prantes. S'ê nã poss cmer, nã como. (E pranta a felhó im baxo)

Ti Flezberto - Ahh! É amecêa que tá aí.

Antóino da Carriça - Pôs, quim más havera de ser?
Mecêas tã todes aí...

D. Jaquina - Amecêa tá aí sozinho?

Antóino da Carriça - Ê nã. Tou com mecêas.
Atão mecêas na tã aqui más eu?

(A Mari Benta vai-se assomar às felhoses, mode ver se elas tã no sê sito, e tamém o pirum. A D. Jaquina vai-se assomar ó bacalhéu a ver se tá unde el'ó dixou)

Mari Benta - Ai home. Amecêa andou outra vez a buber.

Ti Flezberto - Sabe, é ca mana Benta alevantou-se pra vir tender e quando aqui chigou apresenta-se-lhe o pirum balhando más o bacalhéu...

Antóino da Carriça - Atão e balhou tamém, ó cmade Benta? (e arri-se)

Mari Benta - Ê lhe digo se balhi! Ó rai do home!
Atã na lhe digo que vi?

(E amostra a parte cunforme se passou, inquanto o Antóino da Carriça vai fazendo mesuras de xpantamento à medida da xtóira)

- Cunforme ê cá abro a porta, vêje as felhoses balhando aqui,
Despôs vem o bacalhéu e balha tamém e despôs... dê-me uma cousa, caí...
Béque-me foi práqui. (e aponta)
Cunforme m'alevanto, vêje vir o pirum drêto a mim,
com o cuzinho a dar-a-dar... Ai Jasus!
Abali bradando per amecês (achega-se à Jaquina)
Ai que medo qu'ê panhi, mana.

(O Antóino da Carriça tira uma felhó, olha im dreçã a eles e procura:)

- Esta tamém antrou no balho?
Dêxa lá ver se ela balha bem. (e palma-a)

Mari Benta - Ó home d'um cabresto, o ca bubida le faz ó miolo.

Antóino da Carriça - Ora, pôs atão. Ê cá é qu'andi bubendo e a cmade Benta é que vê balhes de piruns despenados más bacalhéus e felhóses...

D. Jaquina - Ó mana. Isso calhando foi sol q'amecê panhou.
Ó Antóino, vaia lá panhar um raminho d'olevêra, qu'é pra ê binzer a mana da calma.

Antóino da Carriça - Benzá logo tamém do má fitio.

Mari Benta - Que dêcho tá ele dzendo?

D. Jaquina - Nã é nada mana. Vá, assante-se já aqui.

Ti Flezberto - Bom, ê cá vôma vestir, mode acinder o forno.

(O Antóino da Carriça volta co raminho d'olevêra e sai pra levar o rabanho po pasto. A D. Jaquina cmeça a bizedura:)

D. Jaquina - Jasus q'é o santo nome de Jasus
e adonde tá o santo nome de Jasus
na entra mal ninum.
Santa Iria alevantou-se
vesti-se e calçou-se, caminou,
cum S. Pedro e S. Palo se incantrou
e precuraram-lhe:
- Àdonde vás tu, Iria?
- Vou-ma Jirusalém, binzer o filho da Virge Maria
do golpe de sol e de todo o mal que lá havia
se ê sei, melhor sabe o filho da Virge Maria
dos doze apóstelos
às três pessoas da Santíssma Trindade.
Se é servido tirar esta calma,
este golpe de sol, deste corpo amoroso
um tindal e nove dobras
e um copo de água fria,
im louvor de Dês e da Virge Maria,
um padre nosso e uma avé Maria.

(ficam um poucachinho im silênço)

Vaia-se a dêtar, mana.
Prante-se lá boa prá Festa e dêxe q'ê cá já venho tinder.
Vô-ma só prantar outres trapos.

E pranto. Pr'esta nôte tem à vonde. Mas fiquim amecêas dscansados que ê hê-d cá vir prantar o resto! Venham-se assomando e boas algraviadas!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Adês pessoal!

Na sê se amecêas têm arrepairado mas ê cá já pranti más uns links no "Àdonde preguntar por algarviadas". Tendo ameceias vagar xmentem à assomarim-se lá, que tam lá cousas munto bim fêtas. Vou-me a ver se inda hoije, más pa despôs do solposto, ou calhando amanhão, consigo a prantar más um padacinho da xtóirinha do teatro de antredia.

Inté!

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Suite Algarve

Uma lindessíssema obra do meu homóinemo Eurico Thomaz de Lima, calhando dos melhores cumpesitores de múizca im Portugal, do séclo XX. Dedicada ao nosse Algarve, co dixou incantado. É uma suite pa piano im oite quadres. Aspero que ves dê tant cunsolo come à mim!














Pa fcarem sabendo más um poucachinho assomem-se nestes links:
http://www.euricothomazdelima.musica.reitoria.uminho.pt/Panfletos/17dez07.pdf
http://www.euricothomazdelima.musica.reitoria.uminho.pt/Bibliografia/EURICO%20T%20DE%20LIMA%20biografia.pdf

domingo, 5 de julho de 2009

Bonecaja

Calvin e Hobbes, tradezid da fala inglêsa dretamente po nosse algravio!

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Tiátaro Algravio

Esta parte que ê vos vou a contar é uma xtóirinha de tiátaro co Máiro do mê ATL xcreveu pa gente rapresentar na consoada, quand ê era moçqueno. Aquilo foi a cousa más linda qu'ê inda nã vi! A famila dê-lhe tanta festa às larachas qu'a gente dezia... Mostra que os messinhos levaram tento, mode fazerim uma cousa cum jêto. Aspero que ameceias tamém lhe achim planta, meme sim tarim a ver: faça contas que tejem lá! Atão é assim:

(Inquanto a D. Jaquina frita as felhóses)

D. Jaquina - Atão mana! Inda falta munto?

Mari Benta - Nã mana. Já tá bem sevadinha.
Vou-ma só fezer o senal mode ver se fica bem levedada.



(Faz o senal da cruz na massa, diz a oraçanita e tapa cum a manta. Vai-se
a lavar, jogando as mãs às ancas e dezendo:)

- Ai mana, tou cumas dores nas cadêras...

D. Jaquina - Ó mana, amecêa já na tem idade pr'amassar...
Vaia-se más é a dêtar um poucachinho...

Mari Benta - Nã mana. O sê Flezberto já deve tar i a chigar cu pirum pa xcaldar.

D. Jaquina - E a água já ferve.

(Antra o Ti Flezberto cu pirum)

Ti Flezberto - Ah bich dum cabresto! Csti a dá-lo panhado, ma já le curti o garganhol! Ó mana Benta, traga lá a vasilha da água, mode a gente xcaldar o bich.

D. Jaquina - Ó home de Dês! Atã na vê ca mana tá descadêrada cum tanto amassar? Xcalde lá ameceia o pirum e dêxe a mlher da mão. Tá ali o alguidar. Na me diga que na dá conta do serviço?

(O Ti Flezberto vai xcaldar o pirum. Na rua soa aí um checalhar. É o
Antóino da Carriça, o moiral, que chega ó solpestinho co rabanho e vai amalhar o gado.)

Antóino da C. - Haja saúde!
Olha, a cmade Benta tem o assantadoiro todo lavajado. Dêxe cá ver qu'ê sacudo!

D. Jaquina - Tenha tent home de Dês!

Mari Benta - Cmade Benta o rai co parta! Arrade ma é pa lá essas unhas! Vá sacudir o sê gado. Nunca home d'nhum ma prantou as mãs no assantadoiro.

Ti Flezberto - Na se marafem, que na mereça a pena...

(Intretanto o Antóino da Carriça dá cum as felhoses e pranta-se a jêto de lhes jgar d'unhas)



Antóino da C. - Ah, ca belas felhoses!
tã diradas doiradinhas...
tá-me mêm àpetecer
ferrar-lhes umas dintadinhas...

Mari Benta - Tir-me daí essas unhas incardidas!
Essas felhoses sã pa nonte do nacemento.

(O Antóino da Carriça dá-lhe pa destapar as panelas e assomar-lhes pra dentro, à pregunta de cêa)

Antóino da C. - Atão, qu'é da cêa? Tou cá cuma griza... Um home chega a casa despôs de tant andar por i, nessa chapada, corg'abacho corg'acima e nã tem triste cousa pa tarrincar?

Ti Flezberto - Ó home, vem desinsofride? Ê mête-le já aí um traçalho de panito cum prasunte!

D. Jaquina - Olhe, aí im cima da mensa tem tamém uma tjala cum zêtonas britadas.

(O Antóino da Carriça pega no pão, corta o prasunte e assanta-se à mensa a monfar)

Mari Benta - Bom, ê cá voma dêtar q'amanhão tenhe que m'alevantar cedo pa tender.

Ti Flezberto - Ê cá já dêxi a lenha no forno. Amanhão é só dar-lhe fogo.
Ó mana Benta, alumie lá a famila que já nã se vê nada.

Mari Benta - O candêrito tará pitrol? (Sanquelêja e diz:)
Inda têm uma manchinha. Ond'é qu'ê pranti os forfes? (Acende e diz:)
Boa nonte e até amanhão. Fiquim-se cum Dês.

Todos - Boa nonte descansada.

(A Mari Benta vai-se a dêtar e o resto da famila cuntinua nos sês afazeres, tramelando.)

D. Jaquina - Ó Antóino, quando é que chega o sê pessoal?

Antóino da C. - A minha Cesaltina já abalou da França antes d'ontem. Vem de carro. Som capaz de chigar amanhão despôs do mi-dia.

Ti Flezberto - Atão e o Toino Zé?

Antóino da C. - Ó... esses vieram de cu tremide. Impataram um porradão de notas de conte! Abalaram no avião pra manhã, aí pr'essas 9 e ó mi-dia já tavam im Lesboa.

D. Jaquina - Ê cuidava que a Alemanha era más longe.

Antóino da C. - E é. Inda é uma boa lonjura. No tempe im que eles usavam a vir de carro na faziam a cousa pre menos de dôs dias. Mas agora mostra que se aquestemarem ó avião e fazim isto im três tempes. Im menes de nada eles se prantam aqui.

Ti Flezberto - Já viste, Jaquina... Três horas levava a gente im ir até à vila mode ir ao mercade!

D. Jaquina - Olá! Munta vez fiz ê esse caminho no carro de besta do mê pai, que Dês o perdôi. Até a pé chegi ê a fezer esse blego.

Antóino da C. - Pôs, aquilo os tempes eram outos. Isto agora tá tude munte avinçado.

D. Jaquina - Pormêro foram as bsecletas a motor, despôs os altemóveles, despôs más os combóis e agora sã os avions.

Ti Flezberto - Até diz ca famila já vai à lua. Nã sê come, mas que vã, vão.

(A D. Jaquina acaba de fritar as felhoses e cmeça a arrumar as cousas más o cmer pró otre dia)

D. Jaquina - Ai! Na me cunvidem pra andar nessas vias, qu'ê na proso. É só meter na ideia que vou de viagem, inda nim tou a cavalo e parece-me já qu'almareio. E despôs, começa-me a dar umas ainsas, mas duma manêra que daí pre diante é só grumitar, grumitar, até na ter más no bucho pa ditar fora.

Antóino da C. - A nha Itelvina, que Dês tem, tamém na prosava nada. Mostra que é cousa que vai na pessoa, ou na sê...

(O Ti Flizberto acaba de arrinjar o pirum e dá de vaia à mulher:)



Ti Flezberto - Jaquina, o pirum já tá amanhado. Pranta-lhe agora tu o timpêro.

D. Jaquina - Ai, hoje já na le mexo. Tou derreada.
Vô-ma só a prantar o bacalhéu de molho e vô-ma ditar.

Antóino da C. - Ê cá inda vô-me até à venda, jgar uma bisca. (sai)
Até amanhão.

Ti Flezberto - Ê cá vou-me tamém a dêtar. Boa nôte e até amanhão.

D. Jaquina - Boa nôte descansada.

(A D. Jaquina, despôs de dixar tude arrimado, vai-se tamém a dêtar)


Aspero que ameceias tejem a gstar. Assim qu'ê tver jêto pranto aqui más um blego.
Inté, pessoal!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Rock Algravio

Mode na dzerim que ê só pranto aqui corridinhos, agora amando cum rock, pa meceias se manearem todes! IRIS!!



quarta-feira, 1 de julho de 2009

Transcrição Fonética

Excepcionalmente este artigo encontra-se escrito em português e não em algarvio, por razões que, espero, compreenderão.

Esta é uma pequena nota explicativa sobre algumas das opções de transcrição fonética que foram feitas neste blog. Em causa estão:
- A questão do "X";
- A não apostrofação;
- O uso da acentuação portuguesa.

Como é sabido, o algarvio não tem qualquer tradição escrita. É um dialecto que se formou, ao longo dos séculos, no contacto oral entre as gentes deste cantinho, no extremo sul do país. Separada do resto do território nacional por três espessas cadeias montanhosas, nesta região se desenvolveu e enraizou uma forma própria de falar, com uma tal especificidade e riqueza vocabular, que podemos falar de um verdadeiro dialecto e não de um mero sotaque. Infelizmente, a partir da segunda metade do século XX, fruto da aculturação de matriz oficial que teve lugar nas cidades maiores e, em geral por todo o litoral, a fala algarvia foi-se, nestas zonas, desvanecendo. No entanto, continua viva, e de uso corrente, um pouco por todo o barrocal e serra, de barlavento a sotavento, em especial entre as pessoas mais idosas.

Não tendo, dizia eu, esta "fala" (que significa também, expressivamente, "língua" em algarvio) tradicionalmente uma versão escrita, foi necessário encontrar uma forma de a literalizar.

Ora, no que ao mote desta nótula diz respeito, a sílaba "es" no início de uma palavra - como em "escola" - na fala algarvia passa ao som "ch", o qual, por simplificação (procurando evitar o excesso de consoantes) represento por "x". Assim, escrever-se-à, por exemplo, "xcola".

Já a opção pela não apostrofação tem a sua explicação numa atitude de emancipação: o algarvio não deve ter vergonha de afirmar aquilo que é. Como tal, as palavras que encurtou (ou suprimiu), bem como as sílabas que decaíram dos seus étimos não têm que ser substituídas por apóstrofes - sinal de preconceito e submissão face à língua portuguesa, da qual o algarvio deriva em grande parte (mas não só!). É preciso deixar claro que o algarvio tem uma dignidade que lhe é própria: não é uma forma inferior ou menos correcta de falar o português, que se deva apoiar nas muletas, que são os apóstrofes, para não cair.

Esta última observação talvez entre um pouco em contradição com a terceira opção de transcrição de que decidi hoje falar. Trata-se do uso da acentuação portuguesa.
A verdade é que preferível seria se o algarvio não precisasse de ser acentuado. Simplesmente a leitura seguiria a convenção de oralidade vigente, da qual é sucedânea. No entanto, esta solução apresenta duas grandes desvantagens: em primeiro lugar,não permitiria a quem não tem contacto oral com o dialecto tomar precepção (ainda que superficial) com a sua riqueza melódica e, em segundo lugar, constituiria um obstáculo à sua preservação, na medida em que tornaria mais difícil reconstituir a sua forma falada a partir do escrito.

Peço desculpa por me ter alongado um pouco nestes esclarecimentos, mas pareceu-me correcto para com o leitor expressar o porquê de algumas escolhas que, não o nego, não serão unânimes e que podem mesmo ser, porventura, algo polémicas.

Corridinhos

Na há melhor modinha qu'estas, mode a gente bálhar!











terça-feira, 30 de junho de 2009

Já pranti aqui o que me fui alimbrando. Se ameceias tverim vagar na dexim de vir assomar, que é tudo modinhas de meter cobiça. Munto gabadas pra famila, inté no xtrangêro!

Modinhas Algravias













Floripes - Um Filme im Algravio



O Algravio torna a inçar!

Adês pessoal!

Cuidavam que ê vos tinha dêxado da mão? Nim de veras nim brincando, que ê agora já me apegui àmeceias! Vou-me a ver se d' oije a oito dias já tou capaz de prantar aqui más uma manchinha de retratos, mas por inquanto é só cunversa... Ê tenho arrepairado que, dá uns anos a esta parte, a famila vai tendo uma certa cuirsedade pra nossa fala e tamém há quim se dê ò trabalho da xtudar e da amostrar òs outros. Inda na tem à vonde, mas òs poucachinhos a gente dá conta do recado. Daqui pre diante vou-ma começar a acartar aqui pró blog tudo o que ê dê notiça a respêto da fala algravia. Faça contas que é come uma estantla àdonde ê vou arrimando o que me pareça levar jêto, mode na dar fim disso e prantar tamém à mostra da famila.
Ê si que já há por i uma catrefada de livros cum versos ou partes im algravio, xtudos da fala da gente, dcionáiros, conjuntos que cantam modinhas im algravio, gurpos de teatro tamém, filmes (num até prantaram letras ò rés, mode a famila que na comprende), xcritas e até ajuntamentos, premode dar conhecimento da manêra própia de cunversar nestas bandas.
É bom que as cousas levim este jêto, a ver se a gente dá mêo de consarvar o algravio, que na dava arge a nada uma fala tam bonita sa perder. Pode ser que desta manêra, tamém se dê o caso da famila começar a comprender o que a gente tramela, im vez de arremedar ou fazer pagode.
Ameceias vão tomando per conta más eu e quando derim senal de más obra desta deim-me de vaia que ê vou prantando aqui tudo. Já crii uns pôques de links, mas quant más, melhor!
Intém! Saudinha!

domingo, 21 de junho de 2009

Ando marafado, mode na ver jêtes desta bagaja tar a trabalhar come deve ser... Pranti-me inda há pocachinho à pregunta do mê blog no google e na me apresenta lá nada! Ma que raio? Sari ê tam bruto que na dou cum isto? Vou-me a xprimentar procurar a alguém o jêto desta cousa, procurar a famila que se amanhe melhor com os contadores que eu... Tá visto que na dou manêra de trabalhar cum ferramentas destas!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Boas nôtes! Aspero que ameceias tenham achado planta ós retratos que ê aqui pranti antredia. Estes dias tenho andado impatado mode a Iniversidade, ma desde que me dê jêto, simpre hê-de cá vir dar de vaia! Oije andi à pregunta aqui no mê blog do sito dande é que figura a remessa de famila que aqui vem assomar. Ma na no di achado, nim o raio... Calhando ando ma é praqui tramelando só más eu, que nim um brutinho, ma na dou jêtos de saber se dá o caso da parte se passar come ê tou adzendo. Se ameceias comprendim más disto que eu, Dês vos dê graças se m'ajudarim. Bom, vou-me pa malhada qu'ê amanhão tenhe que me xpertar cedo mode ir à da nha avó, im Alte. Inté!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Faro - Retratos da nha terra













Usa-se a prantar retratos nos blogs. Atão vou-me a prantar tamém!


É a lindessíssema cedade de Faro!

terça-feira, 16 de junho de 2009

Mostra co algravio inda é uma fala viva

Cuidavam ameceias co algravio era já uma fala arrimada? Tirim daí o sintido! Inda há por i munta famila que lhe tem amizade. Ê cá sou um desses inconfermados. Mode ver se a gente arriba isto, intindi que me havia de amanhar cum um blog. Pranti-me a jêto e jogui d'unhas à labuta.
Parte das vezes a famila na tramela im algravio mode na serim levados de montanhêros. Mal fêto! Mas ê cá na vou im cantigas, nim me dêxo jmorcer. Na há razã nenhuma prá gente tar vergonhosos desta manêra de falar, que é a cousa más linda cos nosses avózes nes dexarem. Venham daí más eu, a ver se a gente faz disto um trabalho come deve de ser e pranta o algravio no síto qu' ele murece! Dêim de vaia à maltinha cum quem ameceias se dão, mode se ajuntarim tamém à gente!